Arquivo da tag: Greenwich

182- 07) Prime Meridian Of The World

Após deixarmos o interior quentinho e confortável da catamarã que balançava delicadamente com a correnteza daquele rio, dez passos debaixo daquela chuva gelada foram suficientes para acordar cada parte do nosso corpo que estava sonolenta.

A chuva era grossa e decidida.
Ainda não tínhamos chegados à França, muito menos sabíamos que iríamos gastar alguns euros com bons guarda-chuvas estampados com motivos da Eurodisney.
Lembrei-me de ter apenas uma capa de chuva intacta no fundo da mochila e tratei de entregá-la à irmã.

Fomos caminhando sem destino em meio aos desaguardachuvados. Contornamos os belos jardins do Maritime Greenwich College.
Encontramos o National Maritime Museum mais a frente, mas era ver a exposição dos Icebergs ou subir até o Royal Observatory.

A funcionária do museu que nos ensinou o caminho até o Meridiano de Greenwich, o fez em um sotaque delicioso. Foi meio complicado esconder o derretimento dos nossos corações para com aquelas palavras.
Ela era impecável em seu monólogo, ilustrou o caminho com gestos bem treinados, reforçou a explicação, perguntou de onde éramos, brincou bastante com a gente, mas não perdeu a majestade.
Uma típica tiazinha de meia idade com jeitão de professora de biologia, parecia muito uma daquelas famosas atrizes do filme “As Garotas do Calendário”.

Foi quando a chuva deu um tempo.

Aproveitando que as explicações da professora de biologia ainda estavam úmidas em minha cabeça, segui o que havia compreendido e filtrado daquele bolo de sotaque acentuado.
Cruzamos o imponente jardim do College e fomos cair numa rua com casarões de pedra que comporão futuros sonhos capitalistas.

Encontramos um parque profundamente verde de tirar o fôlego.
Neste parque, um caminho fino e comprido até se perder de vista. Um monte, e lá em cima, o observatório.
Por todo o caminho árvores inacreditáveis e centenárias.

A chuva ainda caia, agora fina e tímida.
O corpo molhado começava a entrar em conflito com a distância apresentada.

Subir o monte até o observatório foi uma prova de resistência física.
Estávamos imaginando a volta.

A Jú não se liga muito nessas paradas de astronomia. Ela queria mesmo era estar rodando lá na London Eye.
Prometi pra ela que iríamos passar rapidamente por Greenwich e voltar pra fazermos o último museu de Londres – o dos tesouros e finalmente subiríamos a London Eye.

Pois é.
Mal sabia eu que o passeio por Greenwich engoliria a tarde toda.

Foi só chegar naquela região e sentir aquele mistério todo pairando no ar… Percebi de cara que iria gastar um pouco mais de tempo do que o imaginado.

Tudo bem que os meridianos são linhas imaginárias que cortam a Terra verticalmente do Pólo Norte ao Pólo Sul e que as pessoas passam por eles a todo instante e ponto final.
Mas eu sou o João Elias. Estar no Primeiro Meridiano, o que divide o globo terrestre em ocidente e oriente, permitindo medir a longitude… Ah, isso para mim era simplesmente fantástico.

Claro que ficamos em cima da linha física, brincando de colocar um pé no ocidente e o outro no oriente.
A linha lembrava um trilho: algumas barras de metal fixadas a rua de paralelepípedos marcavam o marco zero.

Como uma régua, a linha localiza em graus e minutos as cidades mais importantes do mundo.

Nunca foi tão fácil viajar.
Em minha caminhada pela linha do Meridiano de Greenwich, quase houve um colapso em Accra, mas era minha preferencial, continuei até chegar a Reykjavìk na Islândia. (A gélida ilha continuava a me acompanhar onde quer que eu fosse).

O observatório real foi construído em 1675 por ordem do Rei Charles II. Lá, o principal telescópio era chamado de The Primary Transit. O meridiano que passava sobre este instrumento foi adotado como o meridiano de referência para a Grã-Bretanha.
Em outubro de 1884, 41 delegados de 25 nações se encontraram em Washington-DC nos Estados Unidos para a Internacional Meridian Conference. Na Conferência, os seguintes princípios foram estabelecidos:

– Era necessário adotar um único meridiano mundial para substituir os inúmeros que já estavam em uso;
– O Meridiano que passava pelo Observatório no Greenwich seria o Primeiro Meridiano;
– Que a longitude seria calculada de leste para oeste a partir deste meridiano até 180°;
– Todos os países adotariam um dia universal;
– O dia universal seria um Dia Solar Médio e começaria à meia-noite em Greenwich contado no formato de 0 a 24 horas;
– Os dias náuticos e astronômicos em todos lugares começariam à meia-noite;

Vários estudos técnicos seriam feitos para regulamentar a aplicação do sistema decimal para a divisão de tempo e espaço.
A Resolução 2, fixando o Meridiano de Greenwich foi aprovada por 22 votos a 1 (San Domingo votou contra), França e Brasil se abstiveram.

Parecia que eu estava mais uma vez ouvindo a velha professora de geografia em sua aula.
Eu havia me sentido assim quando eu passei em 2007 pelo Estreito de Gibraltar.
Há muito poder geográfico e histórico nesses lugares. Há também um aspecto nostálgico, mesmo que seja a primeira vez que se esteja ali. É impossível não se lembrar das aulas do primário.

Estávamos numa região com uma boa vista.

Deu pra ver um pequeno pedaço do parque e a enorme área do College.

Lá embaixo, eu vi a O2 Arena… Sim, sim, lá mesmo onde a Tina Turner fez seu show. É, lá mesmo onde acontecem os espetáculos mais fantásticos do planeta. Logo ali na Península de Greenwich.
Juro que se essa mulher voltar a fazer show, eu volto aqui só pra isso.

Foi quando eu avistei a cúpula do Transit.

Eu nem sabia se podia subir lá, só sei que fiquei louco.
Era a minha chance de entrar num observatório e conferir um telescópio de perto.

Escadinhas ali, se aperta daqui, vira aqui, cuidado com a cabeça, sobe mais alguns lances de uma escadaria em caracol e finalmente se chega a sala da cúpula.

Sem palavras pra explicar a emoção.

Eu tentei, mas a Jussara tirou minha concentração:

Após uma rápida passada no banheiro, onde a irmã registrou o secador de mãos mais eficiente do mundo:

(Vc enfia a mão nele e em 5 segundos sua mão está seca, pois o vento quente vem muito forte dos dois lados do aparelho e a água das mãos sai quase que instantâneamente pelas laterais em gotículas quase vaporizadas), notamos o raio laser que saia do observatório e dividia o ocidente do oriente:

Dizem que em dias de boa visibilidade, dá pra ver o raio de muito longe.

Encontramos a lojinha do observatório cheia de relógios lindos, ampulhetas, vários calendários perfeitos com imagens de mil nebulosas… Canetas, bottons, medalhas… E claro que eu não resistiria a camiseta e ao boné.

Descemos até o centrinho da cidade, contornando aquele parque lindo.
Enquanto descíamos o monte, a tarde também descia junto com a gente.

Nessa altura do campeonato até a meia já estava seca.

Adentramos a linda cidadezinha procurando por um trem ou metrô que nos levasse de volta ao centro de Londres.
Passamos por ruazinhas perfeitas e lojinhas irresistíveis. Eu ia resistindo a todas elas, mas a Jú não resistiu a última, bem próxima a entrada do metrô.

Gastamos pelo menos uma hora ali. Compramos guarda-chuva, dois agasalhos com a bandeira estampada para usar no último dia londrino, a Jú comprou chaveiro pra chave do apto novo…

Só então encontramos a entrada Cutty Sark For Maritime Greenwich e descobrimos que não havia catraca pra passar o bilhete, ou seja, corrida gratuita.
Hehehe…

Foi só falar isso pra que um funcionário do metrô viesse pedir nossos bilhetes já dentro do trem!
Fantástico!

Cutty Sark, Island Gardens, Mudchute, Crossharbour, South Quay, Heron Quays, Canary Wharf, West India Quay…
O metrô passava dentro de prédios e lugares indescritíveis. Lembrei do Oliva (Criacittá) me dizendo sobre esse percurso do metrô.
As pessoas que entravam no metrô eram ainda mais interessantes… Um pouco que vc se afasta do centro de Londres e a população muda. É quase que um festival de povos do mundo todo.

Voltar de metrô foi bem mais rápido, mas ainda assim não foi rápido o suficiente pra que a gente conseguisse encontrar a London Eye aberta.

A Jú ficou realmente mal.

Anúncios

181- 06) God Save The River Of The Queen

Acordamos com a missão de encontrar um Post Office pra despachar os postais para o Brasil e para o Japão.

Enviar postais para mim é algo sagrado.
É documento mais importante que passaporte.
É o registro carimbado de que vc realmente passou por aquele lugar e se lembrou de alguém especial.

O postal traz boas novas.
Chega antes de regressarmos.

As pessoas, em tempos virtuais, esqueceram-se da magia que é enviar e receber um postal.

Pra quem envia: um fôlego durante a viagem, uma breve retrospectiva em poucas linhas.
Pra quem recebe: um abraço distante, uma rápida amostra de prazer e satisfação.

Cada vez mais mandamos menos postais.
Cada vez mais perdemos a nossa caligrafia e com ela todos os nossos sentimentos desenhados.

Faço questão de manter isso vivo quando viajo.

Para os que viram meu pedido a tempo no blog, tiveram seus postais devidamente enviados…
Gostaria de ter mandado muitos outros, mas Santo Deus, como este hábito é caro!

Hoje, o dia se dividiria entre a residência oficial da monarquia britânica em Londres e a navegação pelo Rio Tâmisa até o Meridiano de Greenwich (último dia útil em Londres num próximo post).

Chegar aos portões da rainha é obrigatório para quem está visitando a cidade britânica.

Atravessamos o parque verdinho e nos divertimos com os pequenos esquilos nada tímidos, até encontrarmos o Palácio de Buckingham.

Engraçado como o palácio que a gente imagina é bem diferente do que palácio que a gente encontra.
Passamos a vida toda fantasiando tanto com o fato de que não é sempre que conhecemos a moradia de um monarca vivo, que estar ali, tão pertinho daquela família que tanto vemos pelos jornais e tv parece mentira.

Londres é um lugar cinematográfico, mas a região de Buckingham não é tão cheia de fantasia como eu imaginava que fosse. É mais real do que a realeza de contos de fada.

A começar pela troca da guarda real. É algo raro de ser ver.
O único artista que queríamos fotografar estava bem longe do nosso contato.

Se não tem tu, vai tu mesmo.

Brasileiros sempre dão um jeitinho de espalhar um pouquinho de simpatia.
Não foi muito difícil conseguir convencer o tiozinho.

É. É bacana tirar a foto nos portões da rainha.
É frustrante também compreender que vc é bem-vindo até ali.
Dali não passarás!

É interessante perder um pouquinho de tempo nos arredores dos portões do palácio.
Vc vê o movimento de súditos, digo, funcionários entrando e saindo… Carros espetaculares com vidros insufilmados entrando e saindo…

Nenhuma realeza aparece na janela para um tchauzinho. Hehehe…

Eu bem que tentei…
Resisti bravamente…

Eu nem queria uma foto minha nos portões…
Mas estamos ali, oras bolas… Não vamos voltar tão cedo…

Fora que eu me apaixonei pelas estátuas.
Principalmente a da enorme senhora e seu leão.

Claro que era impossível não se maravilhar com os anjos do Victoria Memorial.

Atravessamos uma das avenidas mais bonitas que eu já vi na minha vida, a Constituition Hill.
Os táxis negros deslizavam por aquele asfalto colorido.

Atravessei a rua com uma idéia.

A Ju foi junto.

Eu queria andar até o final dessa avenida.
Não sabia o que encontraria, mas falei pra Ju: “- Vamos e contornamos o palácio”.

E fomos.
Encontramos um caminho ainda mais bonito.

O caminho era um convite para um passeio irrecusável.

As frondosas árvores abraçavam-se uma às outras formando um teto verde.
Várias vezes eu esquecia que estava na ciclovia e a Ju me lembrava de abrir caminho…

Como é bom lembrar dessa caminhada.
Encontramos o Arco de Wellington. Vimos a estação de Metrô Hyde Park Corner, mas continuamos…

Contornamos o palácio.
A cada portão, muitos pensamentos e sensações.
Imaginar morar numa cidade de rainhas e príncipes é um ótimo exercício de brasilidade.

Seguimos pela Grosvenor Pl, reparando nos inacreditáveis casarões que tinham como nobre vizinha a rainha da Inglaterra.

A cidade ao redor dos muros reais era barulhenta, colorida, caótica e espetacular.
A rotina maluca de uma realidade contrastando com aquela dimensão fortificada, tão protegida dos olhos humanos.

Encontramos a estação Victoria, mas antes de tomarmos o metrô, fizemos uma bela compra de perfumes numa lojinha super baratinha e simples.
Burberry Touch de 100ml por preço de batatinha frita, a Jú comprou o frutífero adocidado da Britney Spears, dois Burberry amarelinhos femininos… Esqueçam Paris! Se comprar eletrônicos em Londres era bom negócio, comprar perfumes também era! Fizemos a festa.
A atendente, uma negra simpaticíssima, conversou tanto com a gente que nos encheu de presentes, amostras e brindes. Saimos de lá carregados e ainda por cima eu ganhei uma descolada mochila da caveirinha motoqueira, que iria me acompanhar pelo resto da viagem.

Não perdemos tempo.
Fomos direto para o lugar que mais adorávamos: Westminster.

Precisávamos explorar a Abadia de Westminster.

Encontramos a igreja Saint Margareth’s.

Ok. Linda!

Não resistimos mesmo a imponente torre do Parlamento do Reino Unido.

Não a torre do Big Ben, (e não vão pensar que o Big Ben é o famoso relógio do Parlamento Inglês, nem tampouco sua torre) – É o nome do sino, que pesa 13 toneladas e foi instalado no Palácio de Westminster. O nome do relógio é Tower Clock, e é muito conhecido pela sua precisão e tamanho.
Não resistimos à outra torre. A que fica do outro lado.

É absurdamente alta. Não há como capturar com os olhos todos os detalhes que decoram aquela torre.
Too much information!

Recortamos um parque cheio de crianças jogando futebol com a torre ao fundo.

Foi quando a chuva apertou.
Estávamos loucos para ir a London Eye, mas com chuva não seria tão bacana.

Pensamos em navegar primeiro pelo Tâmisa, já que a catamarã era fechada.
Escolhemos o destino mais longo: Greenwich.

Compramos nossos tickets nas docas.

Ficamos sentados numa plataforma que dançava ao balanço das águas.

Nossa catamarã não tardou a chegar.
A chuva havia realmente se intensificado. A correnteza estava forte.

Viajar pelo Tâmisa foi uma pausa para nossas inflamadas pernas.
Deixar-se levar pelo balanço do rio era tudo o que eu precisava pra relaxar.

Navegávamos enquanto petiscávamos alguma coisa no bar.
O capitão nos situava a cada ponte que cruzávamos.
Desde a Millenium Bridge a Tower Bridge.

A chuva deu uma trégua, mas o frio era intenso e o vento dentro do rio cortava a pele.
Eu já havia navegado num lago em Bariloche com chuva pior e frio muito mais penetrante, mas talvez fosse a canseira, realmente não dava pra ficar muito tempo ali.

A viagem não é curta. Nem bem havíamos começado a navegar e já estávamos decididos que sacrificaríamos o ticket de volta para retornar de trem ou metrô.

Chegamos numa Greenwich debaixo de uma forte chuva.
Foi quando eu vi uma plaquinha do Royal Observatory e tive certeza do que fazer em seguida. Mas isso já é outro post.